Marketing de conteúdo: da criação de conteúdo relevante ao marketing que se torna viral

marketing-conteudo-viral

Marketing de Conteúdo é a fusão daquilo que as empresas precisam com aquilo que o futuro comprador necessita. É ofertar conteúdo, em troca da atenção ao bem ou serviço oferecido, de modo indireto, e apresentando algo novo a quem já é tão bombardeado de assuntos na internet.

Propaganda ainda é uma forma de fazer marketing, sem dúvidas. Uma forma direta, por vezes até considerada invasiva, mas ainda assim eficiente e útil. O Marketing de Conteúdo soma-se à propaganda para manter a atenção presa pelo comercial.

Ele não te impõe, mas apresenta. Apresenta, de modo a abranger possibilidades, e jamais certezas. Ou seja, o Marketing de Conteúdo irá conter:

  1. Apresentação do produto/serviço;
  2. Objetivos daquele produto/serviço;
  3. Motivos para o receptor adquirir aquele produto/serviço;

“Bom, mas isso é mera propaganda”, você pensará. Sim, o marketing de conteúdo é uma propaganda, definitivamente não deixa de ser. Porém, assim como o Fusca e a Ferrari são automóveis, o Marketing de Conteúdo e a Propaganda convencional estão interligadas na mesma função.

Conteúdo valioso e que some ao usuário

Se as propagandas convencionais ao melhor estilo “Compre Batom” são apenas uma forma de chamar a atenção, como prender esta atenção? Afinal, a rotina é corrida, o abastecimento de conteúdo é imediato e é necessário contribuir para enriquecimento do público.

É dessa forma que entra o marketing de conteúdo. Chutando a porta da monotonia: vendendo o produto, mas também oferecendo algo que agregue a quem você deseja atingir.

A internet proporcionou essa mudança. Na web, não somos mais seres passivos e que assistem a uma tela imutável. Hoje, as ações são coordenadas, e decisões são tomadas até mesmo em filmes (como é o caso de Black Mirror: Bandersnacht).

Então, se até um filme tem ações coordenadas por um usuário, se o anúncio é pulado após cinco segundos e se um merchandising acaba virando meme negativo por dizer o nome da pessoa e seu patrimônio, como encontrar alternativas para alcançar o usuário?

Por mais que os cinco segundos busquem emitir a mensagem e ainda assim se torne um meme, a atenção pode ser chamada. É com ela que o Marketing de Conteúdo trabalhará.

Dessa forma, assim como no filme da Netflix, coordenar as ações virou praxe do usuário. Ele coordena o que atinge, o que o influencia e o que ele mais gosta. Não à toa os algoritmos caminham para isso cada dia mais (ou você nunca ouviu falar dos smartphones que captam suas conversas e direcionam anúncios?).

Marketing de Conteúdo é galgado por passos. Ele constitui-se como a estratégia do presente, e ainda mais notória no futuro próximo.

As estratégias que envolvem o Marketing de Conteúdo

O marketing de conteúdo, tal como qualquer estratégia digital, exige planejamento e construção. Ela compõe inúmeras etapas que variam segundo as necessidades de cada cliente, prática ou produto.

Identificando as necessidades do público-alvo

Um público tem suas necessidades específicas. A busca do Google é sempre revelada de acordo com o que se pesquisa. Por exemplo, para você chegar aqui, muito provavelmente estava buscando um conteúdo completo sobre Marketing de Conteúdo.

Dessa forma, o objetivo deste artigo é cativar aquele que almeja ter respostas para os questionamentos. E é nesse ponto que age o conteúdo do marketing não-convencional. Ele atua como um suporte ao usuário; quase como um guru – ok, sem exageros.

O que oferecer em troca da atenção?

A partir do momento em que se define o público-alvo e as necessidades, ideias para construir a estratégia começam a surgir. Entre as principais, podem ser citadas:

  • Ebooks;
  • Vídeos;
  • Tutoriais;
  • Cursos; 

A demanda do público delimitará as necessidades dos usuários. O objetivo é informar para melhor abastecer o público, e assim contribuir para o enriquecimento cultural do mesmo. É dessa maneira que o marketing de conteúdo trabalha e preza.

Estudar a concorrência

Estudar a concorrência se torna parte importante, sobretudo quando a disputa é pelo almejado topo do Google. Galgando passos, estudando o conteúdo do concorrente e aprimorando para o portal, as chances de sucesso são grandes.

Não é copiar o que a concorrência faz, mas sobre estudar e aprimorar aquilo que ela produz. Afinal, os potenciais clientes ainda estão sedentos, mas não encontram na concorrência aquilo que podem encontrar com você.

Trending Topics são os denominados assuntos do momento, no bom português. Eles pautam o que é falado nas redes sociais e na internet como um todo. Estar atento a eles é fundamental para estabelecer uma estratégia digital.

Afinal, ninguém quer falar sobre memes Gloria Pires no Oscar quando a moda é Nazaré Tedesco fazendo cálculos (e detalhe importante: após produzir este artigo, até mesmo outra tendência ocupará o posto da atual).

internet é formada de tendências, que, rapidamente, aparecem e desaparecem, tal como um passe de mágica.

Alterar, testar e arriscar para acertar

Marketing, num geral, mas sobretudo o digital, abrange esse tripé: alterar, testar e arriscar. Até que o acerto seja alcançado, inúmeras tentativas precisam ser esquematizadas. Já imaginou acertar de primeira? Mega-Sena, aí vou eu!

Por isso o marketing precisa de largo estudo, profundidade nas análises e foco nos resultados. É instantâneo. Uma campanha foi mal? Ela jamais deve ser repetida. Ela foi bem? Bom, alguma coisa está sendo feita corretamente.

Atrair, engajar e conectar

Os passos de uma estratégia de marketing digital devem ser embasadas neste tripé. Conteúdo para atrair. Conteúdo para engajar. Conteúdo para conectar. Mesmo que tendenciosamente, qual o único termo que liga o trio?

Para atrair, engajar e conectar, apenas com conteúdo. Por mais que a propaganda seja boa, como as antigas protagonizadas pela Bom Bril, ou mais recentes como a Bettina e seu 1 milhão, elas são marcadas, ainda assim, por serem propagandas.

Elas atraíram a atenção. No primeiro caso, a qualidade da esponja de aço atraiu e manteve os compradores. No segundo, o público se dividiu entre os que se agradaram e os que não se agradaram do conteúdo oferecido pela Empiricus.

É assim que o Marketing de Conteúdo funciona.

O título é 50%, a imagem 25% e o primeiro parágrafo 24%

E aquele 1% que sobra na soma? Pois bem, ele é dividido no restante do artigo. O texto atrai pelo título, imagem e primeiro parágrafo. Ou seja, você tem três chances de chamar a atenção do público para o seu conteúdo.

O título precisa ser objetivo. A imagem precisa corresponder. O primeiro parágrafo precisa responder. Assim é constituída uma estratégia digital de marketing de conteúdo muito bem consolidada.

Uma combinação exata que sacramenta resultados e culmina em êxitos.

Práticas a se adotar na otimização dos artigos

Em 2019, os dispositivos a serem atingidos são o mobile. Tablets e smartphones cresceram exponencialmente em relação a 5 anos atrás. Criar um conteúdo leve, com escrita agradável e que seja acessível a esse público se torna indispensável.

Muito além disso, é importante se ater ao tamanho de conteúdo, com vídeos entre 5 e 10 minutos, artigos de até 1000 palavras e ebooks recheados de imagens. A otimização de conteúdo abrange muito mais do que o artigo, mas sim o que ele contém como um todo.

Dicas de Marketing de Conteúdo potenciais a serem adotadas

Marketing de Conteúdo, apesar de crescente, ainda é pouco adotado por empresas, que ainda enaltecem a propaganda convencional.

Entretanto, essa estratégia de marketing digital pode ser uma boa pedida para orçamentos mais curtos, e ainda beneficiar para alcançar grandes empresas na web.

Landing Pages direcionadas para atrair

Sabe por que a estratégia digital de Landing Pages é tão interessante? Porque ela busca o imediato, a objetividade e o mais importante: a conversão. Além de prezar por isso, ela é uma excelente forma de fisgar de vez aquele potencial cliente.

Embora seja uma estratégia de marketing digital bastante conhecida e popular entre os estudiosos e leigos da área, ela é ainda pouco posta em prática – ou ao menos da forma correta como deveria.

Uma Landing Page não pode simplesmente ser uma caixa de texto que deseja do cliente as informações dele. Ela precisa ser algo que entretenha aquele visitante que está quase se transformando em lead.

Por esse motivo, estar tão atento às novidades no meio da web é tão importante. As landing pages precisam corresponder o que está atualmente interessando ao público-alvo.

Conheça o público e dê o que ele quer

Este tópico facilmente poderia ser uma extensão do anterior. Conhecer o público é fundamental. Não existe estratégia digital consolidada sem o planejamento detalhado.

Esses detalhes são baseados majoritariamente nas características da persona elaborada. Apesar de não fazer parte da estratégia de marketing de conteúdo, a persona é um elemento indispensável para o marketing digital.

Assim, algumas perguntas precisam ser respondidas para formalizar o público-alvo/persona/avatar:

  • Qual o gênero: masculino ou feminino?
  • Qual a idade média?
  • Qual a faixa salarial?
  • Qual segmento profissional?
  • Qual a escolaridade?
  • Qual o problema?
  • Qual o objetivo? 

Em termos gerais, apesar de corresponderem a uma avaliação geral de potenciais clientes, o público-alvo, a persona e o avatar correspondem a três diferentes casos.

Público-alvo: abrange dados num geral do ponto de vista qualitativo, e que correspondem a uma margem ampla das pessoas a serem atingidas. Exemplo: Homem, entre 25 e 30 anos, ganha em média R$ 3 mil, engenheiros, graduados, problema com mercado saturado e o objetivo é encontrar novas áreas para atuação, concursos públicos ou vagas na área.

Avatar: o avatar de vendas corresponde a dados quantitativos dos visitantes da empresa. A ideia é identificar e mensurar os dados para construir a estratégia de público-alvo e persona, Exemplo: Visitantes do site correspondem a 62% de homens e 38% de mulheres, com 40% com faixa salarial até R$ 3 mil reais e 50% com idade de até 30 anos.

Persona: por fim, a persona constituirá um “cliente ideal” a ser atingido, tal como uma pessoa real para encontrar o modo que esta pensa. Exemplo: João Pedro tem 27 anos, é formado em engenharia de produção e ganha até R$ 3 mil por mês, realiza uma especialização em administração e não consegue alocação no mercado de engenharia de produção e deseja ingressar no mercado de trabalho.

Conteúdo original e sem a mecânica do início da década

O ideal é sempre trazer um conteúdo leve e que converse com a audiência. Encurtar distâncias, e tornar um texto que poderia ser maçante e desgastante, pode ajudar (e muito!) na convergência.

Pegue o exemplo de um livro. Ao surgirem o diálogo entre as personagens, o leitor ficar mais atento, pois se sente participante da conversa, tal como se fosse uma voz a mais.

Esse é o segredo: tornar o texto do marketing de conteúdo menos mecânico, e muito mais leve e atrativo. O leitor participando do conteúdo.

Sem paciência, sem resultados

Prometemos a primeira página do Google em uma semana, ou devolvemos o seu dinheiro! É, essa propaganda realmente não cola – e ainda bem que não estamos falando de propaganda, mas sim de marketing de conteúdo.

Mais elaborado, aprofundado e que apresenta a (dura) realidade de quem deseja crescer com acessos orgânicos. É um trabalho de formiguinha. Vagarosamente, postando conteúdo e buscando a conversão de 1 em cada 1000 visitantes que sejam.

O segredo é não apressar. É um trabalho de médio a longo prazo, e é como o Google funciona atualmente.

A busca é por conversão, e não tráfego

O que vale mais: um site com 10 mil visitantes e 50 ativos ou 1000 visitantes e 500 ativos? Com certeza a segunda. Conversão não se precifica. É um número muito maior do que o visitante, pois, com ela, a estratégia se consolida.

É por isso que é necessário bater na tecla do trabalho com paciência. A busca não é por estar no topo do Google, grande número de visitantes e não estar atraindo quem realmente interessa.

Convergir e convencer alguém da qualidade do conteúdo e da capacidade de solucionar problemas não é tarefa fácil. Por isso, sempre que estiver pensando em desistir, lembra daquela conversão que resultou em uma venda importante.

Ela fará você seguir em frente.

Diversificar para não cansar

A estratégia precisa ser sempre mutável. Dentro do mundo da web, o que se engessa, rapidamente se torna velho e ultrapassado. Por isso, é sempre importante pensar em novas estratégias.

Como atingir o público? Qual a nova abordagem? O que o público deseja? Como ser diferente? Essas perguntas precisam permear diariamente para que, trimestralmente, a estratégia digital seja renovada.

Benefícios do Marketing de Conteúdo para a pequena empresa

  • Melhora da visibilidade do projeto dentro da internet;
  • Um relacionamento mais aproximado com o cliente;
  • Aumento significativo do engajamento do público com o projeto;
  • Instiga o potencial cliente a querer descobrir mais sobre o produto/serviço;
  • Naturalmente aumenta as vendas, pois há a venda da solução do problema enfrentado pela pessoa;
  • Carrega informações além do institucional;
  • Diminui custos e riscos;
  • Estabelece uma relação de confiança;
  • Demonstra transparência;
  • Não é uma venda, mas informação adicional ao potencial cliente;
  • O funcionamento da estratégia digital está muito mais direcionada ao abastecimento do potencial cliente.

Oferecer a ele algo que responda às dúvidas em troca do tempo dele para entender que aquele produto/serviço oferecido pela empresa possa sanar as dúvidas e solucionar os problemas enfrentados.

Exemplos de Marketing de Conteúdo de sucesso: como criar?

É sempre bom conhecer grandes cases de sucesso dentro do Marketing Digital. O básico antes de qualquer campanha é criar um brainstorm, elaborar um briefing e estabelecer content strategy.

É isso que muitas agências te dirão. Mas esse monte de palavras em inglês são apenas para impressionar. A ideia é, basicamente, esquematizar, elaborar e agir. Pronto. Claro que cada um destes passos compõe outros demais. Vamos conferir como fazer isso?

Organizando o conteúdo

Definir o conteúdo previamente é parte do processo de organização. Geralmente, em grande parte das estratégias, o marketing de conteúdo é adotado via blog indexado ao site da empresa.

Ele serve para destrinchar o produto/serviço, oferecer informações e também disponibilizar dicas. Ou seja, textos que podem abranger o produto da empresa de modo mais aprofundado, expor curiosidades pouco conhecidas e ainda elaborar tutoriais.

Contudo, o conteúdo não precisa se limitar ao texto. Há outras formas de produzir, como infográficos, imagens, vídeos e até áudio. Sim, uma crescente atual são os chamados podcasts, e eles podem ser uma estratégia inusitada para converter.

Esquematizando postagens

De nada adianta uma imensidão de ideias sem organização para publicação. Por isso, é necessário constância e rotina.

Ou seja, constância de abastecimento diário – ou pelo menos semanal – e rotina para o visitante entender que na mesma hora no dia/semana seguinte novo conteúdo estará no ar.

Isso serve como uma fidelização. Dessa forma, organizar os conteúdos a serem criados é de suma importância, uma vez que as postagens precisam corresponder, e serem, obviamente, atualizadas.

Afinal, de nada vale criar um podcast se ele parar no episódio #1.

Ação para converter

As CTA (Call To Action ou Chamadas para Ação, no bom português) seguem sendo eficientes. No entanto, a dica é sempre para que elas sejam imperceptíveis, e atinjam indiretamente o usuário.

Isso porque uma CTA explícita não passa de uma propaganda indexada ao conteúdo. É preciso ser imprevisível dentro do texto, para levar o consumidor do conteúdo a querer conhecer o produto, sem a necessidade de fazer um convite.

Marketing de Conteúdo para pequena, média e grande empresa

marketing de conteúdo é uma estratégia válida para a pequena, a média e a grande empresa. É perceptível notar de como, cada vez mais, as empresas têm adotado esta estratégia digital.

Isso se deve a quantidade de informação e conteúdo bombardeado. Por isso o marketing de conteúdo entra como um adicional da propaganda. Enquanto ela chama, o marketing de conteúdo busca converter.

De modo a garantir uma união, a Good Ads, por exemplo, alia o Google Adwords com estratégias de SEO (Search Engine Optimization) baseadas em marketing de conteúdo. Uma forma de atrair a atenção e mantê-la.

Afinal de contas, chamar a atenção de alguém é até fácil, difícil é manter a atenção por um longo período de tempo. É assim que Adwords e o Marketing de Conteúdo trabalha. A chamada para atrair, o abastecimento para engajar e a CTA para converter.

0 Shares:
Você também pode gostar